A resposta é sim, mas não se preocupe. Se você possui diabetes ou conhece alguém que tenha, é possível conviver com a doença sem que ela afete muito o seu dia a dia. Tudo é uma questão de hábito e vamos mostrar para você como deixar a rotina mais prática.

Entendendo o diabetes

O diabetes é uma doença crônica que não deixa o pâncreas produzir a quantidade de insulina que precisamos ou impede que o nosso corpo a utilize da maneira que necessitamos.

“Qual a importância da insulina para o nosso organismo?”, você deve estar pensando. A gente responde: esse hormônio quebra as moléculas de glicose e transforma isso tudo em energia para manter nosso corpo funcionando direitinho.

Se a glicose não é quebrada, várias complicações surgem, afetando o coração, as artérias, os rins, os nervos e até os olhos.

Existem 2 tipos de diabetes:

O tipo 1 e o tipo 2. No diabetes tipo 1, a insulina não é suficiente ao pâncreas, porque as células acabam se autodestruindo. O corpo sofre um “bug” e acha que as células que produzem insulina não fazem parte do próprio organismo e acabam destruindo-as também.

Pessoas portadoras de diabetes tipo 1 precisam tomar injeções de insulina para manter a glicose normalizada.

No diabetes tipo 2, o corpo não responde à insulina produzida, criando uma espécie de resistência. O organismo acaba então não metabolizando muito bem a glicose.

Com isso, o tratamento é feito para reduzir os níveis de glicose no sangue e, muita vezes, é preciso fazer uma dieta específica, restringindo principalmente o açúcar.

Cuidados especiais

Exercícios físicos

Dependendo do diagnóstico, é preciso ter um cuidado extra para a prática de exercícios físicos. Consultar um médico antes de começar é essencial, e o treino precisa ser supervisionado por um profissional de educação física. A frequência também merece atenção especial. Segundo especialistas, 60 minutos por dia é o limite.

O cuidado com os pés precisa ser redobrado. Isso porque um dos sintomas do diabetes é a diminuição de sensibilidade. E como outro fator é a dificuldade de cicatrização, utilizar calçados e meias bem confortáveis, para evitar machucados e cortes, é regra básica.

Pele

A pele acaba sofrendo e muito. Ela perde espessura e elasticidade, e fica mais desidratada. A coceira aumenta, as chances de infecções também e, com elas, o surgimento de micoses e frieiras.

A falta de insulina também ocasiona escurecimento em algumas áreas como pescoço e axilas, e quem tem o diabetes tipo 1 pode desenvolver vitiligo, já que esse tipo traz mais chances de se obterem doenças autoimunes.

Hidratar a pele todos os dias, após o banho e antes de dormir, além de beber muita água, é mais que importante.

Manicure

Para quem tem o costume de fazer a unha no salão, os cuidados precisam aumentar um pouquinho mais. Evite tirar as cutículas e manter os pés e as mãos muito tempo de molho.

Não utilizar produtos ou utensílios para a retirada de calos é também necessário, por causa da dificuldade de cicatrização.

Nessa hora, vale também dar uma checada em outras rachaduras, bolhas e mudanças de cor da pele.

Escreva um comentário